Busca
Faça uma busca por todo
o conteúdo do site:
   
Home
Atualização Cadastral
Áreas de Atuação Profissional
Biblioteca
Bolsa de Empregos
Certidões
Comissões Técnicas
Concursos Públicos (CRQ-IV)
Consulta de Registros
Cursos e Palestras
Dia do Profissional da Química
Downloads
Eventos
Espaços para Eventos
Fale Conosco
Fiscalização
Formulários
Game
Informativos
Juramento
Jurisprudência
Legislação
Licitações
Linha do Tempo
Links
Localização
Noticiário
Perfil
Planos de Saúde
Prêmios
Publicações
QuímicaViva
Regimento Interno
Selo de Qualidade
Sorteios
Transparência Pública
Siga-nos no Twitter   Conheça nosso Facebook   Nosso canal YouTube
 
Química e Arte - Conselho Regional de Química - IV Região

Química e Arte 

 


 
 
O papel do químico na área de restauração e conservação do patrimônio cultural

A associação entre química e arte pode parecer um pouco inusitada se considerada sob o olhar do homem contemporâneo. Com os rumos tomados pelas ciências nos séculos XIX e XX, a química foi incorporada no conjunto das ciências exatas com a percepção de que tenha pouco ou nada a ver com a arte, a qual seria ligada exclusivamente à imaginação e à criatividade – como se a criação artística e o raciocínio exato fossem habilidades humanas incompatíveis entre si. Mas, pensando bem, percebemos que esta separação estabelecida no imaginário coletivo nem sempre correspondeu à realidade, já que no passado era normal os artistas, pensadores e filósofos transitarem com desenvoltura tanto pelas atividades “exatas” (engenharia, alquimia, astronomia) como pelas chamadas belas artes. Um exemplo emblemático é o do Leonardo da Vinci, a quem o simples atributo de engenheiro ou de pintor ficaria muito limitado visto o grande número de obras artísticas e técnicas deixadas por ele como legado, na prática ou no papel.
 
Pensar que o exercício da criatividade artística dispensa o conhecimento das propriedades dos materiais e das técnicas para o seu manuseio é um equívoco. É impensável supor que os pintores não precisem saber misturar os pigmentos inorgânicos (alguns dos quais têm nomes bem químicos, como amarelo de cádmio, óxido verde de cromio ou branco de chumbo) com os ligantes, nem que possam se dar ao luxo de desconhecer e saber ajustar o processo de secagem dos diversos óleos naturais (ou sintéticos) e das resinas usadas como vernizes. Criar obras de arte requer matéria e a capacidade de usá-la a serviço da criatividade. Aliás, pesquisas com algumas das técnicas mais modernas de análise estão revelando a habilidade singular de alguns pintores do passado no domínio da arte de fabricar e manusear as tintas partindo dos mais diversos tipos de substratos visando criar os efeitos plásticos desejados. Incrivelmente, até os nossos mais distantes antepassados que deixaram suas manifestações artísticas pintadas na rocha das cavernas parece que lançaram mão de estratagemas dignos de um químico moderno no desenho das pinturas rupestres.
 
Saber se aprofundar nas propriedades da matéria e entender como controlá-las é importante até mesmo no caso das formas menos palpáveis de arte, como a música. Alguns construtores de instrumentos musicais, como violinos ou órgãos de tubos dos séculos XVII e XVIII, foram grandes mestres e moldaram instrumentos únicos apreciados até hoje também por terem sido grandes conhecedores das madeiras, dos metais e dos vernizes.
 
Que a química tenha um papel fundamental na evolução das artes plásticas é, em suma, algo que dificilmente pode ser questionado: sirva ainda como último exemplo a revolução representada pelo surgimento dos polímeros sintéticos. Não somente essa inovação abriu as portas para a introdução de inúmeros novos materiais plásticos e técnicas de pintura (por exemplo, o acrílico) sem os quais não existiria boa parte da arte contemporânea, como a química estimulou um maior aproveitamento de polímeros naturais, proteínas e fibras vegetais.
 
Um aspecto que cabe frisar sobre as relações entre a química e os bens culturais é a contribuição desta ciência no processo de restauração e preservação de obras de arte. Trata-se de uma nova área específica de atuação que vem crescendo, ganhando cada vez mais reconhecimento e oferecendo oportunidades de inserção para os profissionais da química. Em alguns países, onde a percepção da importância do patrimônio cultural se impôs mais cedo, como a Inglaterra, esta visão já está bem consolidada. Foi um cientista inglês, Garry Thomson, que escreveu o primeiro livro de larga difusão que explica como gerenciar os fatores ambientais dos museus para otimizar a conservação dos objetos neles conservados. A primeira edição, de 1978, mostra como a National Gallery de Londres já tinha uma longa tradição de preocupação com a qualidade dos ambientes de conservação e estratégias cientificamente fundamentadas para melhorar suas características. Entre os anos 80 e 90 esta visão se expandiu em todo o planeta e hoje a restauração e a preservação de obras de arte são realizadas em praticamente todos os países do mundo, inclusive o Brasil.
 
Atualmente existe uma clara distinção entre restauração, quando se tenta reverter um processo de degradação, e preservação, em que se busca evitar o dano com medidas preventivas. Nesse contexto, é importante mencionar a nova tendência voltada para estudar o efeito dos poluentes atmosféricos nas obras de arte. Os poluentes podem penetrar nos museus vindos do ar externo ou ainda ser gerados diretamente dentro dos espaços de conservação, por exemplo, emitidos pelos materiais de construção ou por produtos de limpeza. O químico não somente é o profissional mais preparado para detectar a presença destas substâncias no ar, como também para prever e estudar seus efeitos nos diversos tipos de materiais, como tintas, metais, papel, madeira, fibras naturais e artificiais, e ainda propor soluções para evitar a degradação das obras de arte.
 
Os químicos podem atuar na caracterização dos materiais: a composição de uma liga pode ter papel fundamental no risco de corrosão de um objeto metálico; pigmentos distintos respondem de formas variadas aos estímulos externos; a restauração de um quadro pode requerer a identificação das tintas originais utilizadas ou, ainda, o esclarecimento da paleta de uma pintura (conjunto dos pigmentos originais utilizados pelo artista) que é certamente uma ferramenta importante para melhorar o conhecimento da origem e da trajetória de uma determinada obra. As investigações podem ser realizadas nos artefatos originais ou serem desenvolvidas em corpos de prova. Mas, de qualquer forma, todo e qualquer estudo quase sempre depende do emprego de técnicas de análise e hoje a disponibilidade de modernas tecnologias, como os lasers, determinou um enorme avanço nessa área. Por exemplo, a tecnologia trouxe a possibilidade de se realizar diversos tipos de exames dos materiais de forma não destrutiva ou não invasiva, o que é vital quando se lida com objetos únicos como estes. Nisso, o Brasil tem mantido uma posição de destaque no contexto internacional, em áreas como a espectroscopia Raman, a análise elementar ou ainda as relações entre ambiente, poluentes e obras de arte.
 
Uma área de pesquisa e desenvolvimento particularmente forte, inclusive na Europa e na América Latina, são os estudos de arqueologia, etnografia e arte rupestre em que a análise de peças produzidas por populações indígenas tem um significado particular. Aqui, a contribuição do químico em entender a composição dos materiais e os processos ocorridos com eles ao longo do tempo pode ajudar a desvendar aspectos culturais, religiosos e antropológicos.
 
O profissional para este tipo de atuação precisa ter uma sólida formação e profundos conhecimentos de química (química orgânica e inorgânica, química analítica, técnicas instrumentais, espectroscopia e fotoquímica), mas necessita também desenvolver outras habilidades, como a capacidade de interagir e dialogar com profissionais com outras formações para extrair elementos para a interpretação de seus dados e o interesse em lidar com pessoas e instituições, inclusive de outros países.
 

Prof. Andrea Cavicchioli
Escola de Artes, Ciências e Humanidades - USP Leste
Revisão: Prof. Antonio Carlos Massabni
Unesp-Araraquara
 
Apoio: Mari Menda
Departamento de Comunicação e Marketing CRQ-IV

Imagens: Wiki Media Commons
Foto de autor desconhecido - Julian Dupre em seu estúdio 1905/1906
John Singer Sargent - An Out-Of-Doors Study, ca.1889 - Brooklyn Museum
Pintura rupestre: Cueva de las Manos, Argentina
 
 
 

 

 

Publicado em 27/06/2011 

 
 
 
 
 
 
 
 
Copyright CRQ4 - Conselho Regional de Química 4ª Região