Busca
Faça uma busca por todo
o conteúdo do site:
   
Home
Atualização Cadastral
Áreas de Atuação Profissional
Biblioteca
Bolsa de Empregos
Cadastro de Cursos
Certidões
Comissões Técnicas
Concursos Públicos (CRQ-IV)
Consulta de Registros
Cursos e Palestras
Dia do Profissional da Química
Downloads
Eventos
Espaços para Eventos
Fale Conosco
Fiscalização
Formulários
Game
Informativos
Juramento
Jurisprudência
Legislação
Licitações
Linha do Tempo
Links
Localização
Noticiário
PDQ
Perfil
Peritos Químicos
Planos de Saúde
Prêmios
Publicações
QuímicaViva
Regimento Interno
Selo de Qualidade
Sorteios
Transparência Pública
Siga-nos no Twitter   Conheça nosso Facebook   Nosso canal YouTube   Siga-nos no Instagram
 
A descoberta da borracha - Conselho Regional de Química - IV Região

A descoberta da borracha 

 


 
 
 
 
 
 
A borracha natural é obtida do látex da seringueira, Hevea brasiliensis, árvore nativa das Américas. Outras espécies vegetais que produzem borracha são o dente-de-leão (Taraxum), o guaiúle (Parthenium argentatum), a virgaurea (Solidago virga aurens), a maclura (Maclura pomifera), e outros vegetais, mas nenhuma é tão eficiente na produção de látex quanto a seringueira.
 
No século XVI, ao descobrirem as Américas, os europeus conheceram a borracha, que já era usada pelos índios no Brasil e no México. Cristóvão Colombo observou que os índios praticavam jogos com bolas de borracha. No poço sagrado dos Maias, em Yucatán, foram descobertos artigos de borracha. O nome inglês rubber foi dado, provavelmente, por Priestley, o descobridor do oxigênio, que pela primeira vez observou a capacidade de o material apagar (rub out) o traço de um lápis.
 
A estrutura química da borracha vem sendo estudada desde 1826, quando Faraday determinou a fórmula empírica do isopreno. Apenas na década de 1920 é que se estabeleceu definitivamente que os polímeros, inclusive a borracha, eram moléculas orgânicas, porém de alta massa molecular e, em 1955, foi realizada a primeira síntese do cis-1,4-poliisopreno com o emprego de catalisadores do tipo Ziegler-Natta.
 
Em 1839 o uso da borracha natural foi ampliado com a invenção da vulcanização por Charles Goodyear. O processo de vulcanização facilitou o comércio da borracha, que passou a ser usada na fabricação de uma série de produtos, como pneus e brinquedos.
 
No século XIX, o Brasil tornou-se grande produtor e exportador de borracha natural, dominando o mercado mundial. Mas, com o forte crescimento da demanda mundial e a busca por alternativas mais baratas, a baixa produtividade do sistema extrativista brasileiro inviabilizou a produção. O golpe definitivo à posição brasileira foi o mal-das-folhas, causado pelo fungo Microcyclus ulei, doença nativa da região amazônica, que levou o país a perder espaço para a Ásia.
 
  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Unidade de processamento de borracha na
Ilha de Sumatra em 1921
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Reinforced_Rubber.jpg
 
 
A seringueira, que já havia sido levada para países asiáticos como Malásia, Filipinas, Índia e Indonésia, se desenvolveu fortemente nesses locais provavelmente porque lá não existiam os insetos e fungos nocivos que atacam a árvore nas áreas nativas das Américas. Os países asiáticos organizaram sua produção de forma mais eficaz do que o modelo extrativista brasileiro e as plantações do Oriente tornaram-se a fonte da maior parte do suprimento mundial de borracha.
A borracha sintética ganhou espaço a partir da Segunda Guerra Mundial, quando as áreas produtoras da Ásia foram invadidas pelo Japão, que cortou o fornecimento de borracha natural aos Estados Unidos. Embora não substitua completamente o produto natural, ela é preferida, em geral, por sua maior pureza, uniformidade, disponibilidade e menor preço.
Depois da crise vivida no século XIX, o Brasil só conseguiu recuperar sua produção de borracha natural a partir de 1970, quando as seringueiras passaram a ser cultivadas em outras regiões do país, como os Estados de São Paulo, Mato Grosso, Espírito Santo e Goiás, a mão de obra passou a ser especializada e a tecnologia de produção foi desenvolvida.
 
 
 
 
 
 
 
@2020 - Copyright CRQ4 - Conselho Regional de Química 4ª Região