Busca
Faça uma busca por todo
o conteúdo do site:
   
Home
Acesso à informação
Atendimento Presencial
Atualização Cadastral
Áreas de Atuação Profissional
Biblioteca
Bolsa de Empregos
Cadastro de Cursos
Certidões
Comissões Técnicas
Competências e Estrutura Organizacional
Concursos Públicos (CRQ-IV)
Consulta de Registros
Cursos e Palestras
Dia do Profissional da Química
Downloads
E-Prevenção
Eventos
Espaços para Eventos
Fale Conosco
Fiscalização
Informativos
Juramento
Jurisprudência
Legislação
Licitações
Linha do Tempo
Links
Localização
Logística reversa - Convênio
Noticiário
Ouvidoria
PDQ
Peritos Químicos
Planos de Saúde
Prêmios
Prestação de Contas
Publicações
QuímicaViva
Selo de Qualidade
Simplifique
Sorteios
Termos de privacidade
Transparência Pública
 
Refrigerantes - Conselho Regional de Química - IV Região

Refrigerantes  

 


Refrigerantes são bebidas gaseificadas obtidas pela dissolução, em água potável, de suco ou extrato vegetal, e adição de açúcar ou edulcorantes. Para serem consideradas refrigerantes as bebidas deverão obrigatoriamente ser saturadas de dióxido de carbono (CO2 ou gás carbônico) industrialmente puro. Por serem considerados produtos alimentícios, os ambientes industriais, equipamentos e utensílios usados em todo o processo de fabricação de refrigerantes têm que seguir as normas específicas nos procedimentos de recebimento de matérias-primas, de produção, embalagens, transporte e análises físico-químicas e microbiológicas.

 

Os ingredientes básicos dos refrigerantes são: água, que deve atender às normas e padrões de potabilidade; concentrados, que dão o sabor, e são compostos por extratos, óleos essenciais e destilados de frutas ou vegetais; açúcar refinado ou cristal (sacarose), que pode ser substituído total ou parcialmente por sacarose invertida, frutose, glicose e seus xaropes, ou edulcorantes e dióxido de carbono - CO2 (gás carbônico) industrialmente puro.

Outras matérias-primas dos refrigerantes são os conservantes, que impedem ou retardam a deterioração provocada por microrganismos, como leveduras, mofos e bactérias; os acidulantes, que regulam a doçura do açúcar, intensificam o gosto ácido, controlam o pH e inibem a proliferação de microrganismos; os antioxidantes, que impedem a ação do oxigênio causador da perda da cor e deterioração do produto. Também são utilizados aromatizantes, que conferem ou intensificam o aroma; flavorizantes, que conferem ou intensificam tanto o sabor quanto o aroma; e corantes, para dar ou intensificar a cor dos refrigerantes. O gás carbônico realça o paladar e dá a impressão sensorial de gasoso/efervescente e melhora a aparência do produto.

 

Os refrigerantes são vendidos em embalagens de PET poli(tereftalato de etileno), garrafas de vidro e latas, em volumes que variam de 237 mililitros a 3 litros, e também em barris de aço ou alumínio. Existem refrigerantes de muitos sabores, como guaraná, laranja, limão, cola, abacaxi, uva, maçã, framboesa e tutti-frutti. O sabor preferido em todo o mundo é o cola. No Brasil, os sabores preferidos são, pela ordem, cola, guaraná, laranja, limão e uva.

 

Fabricação - As etapas de fabricação dos refrigerantes incluem o tratamento da água, a elaboração do xarope simples, que consiste na dissolução do açúcar em água quente; a preparação do xarope composto, quando o xarope simples é misturado aos outros ingredientes; e a elaboração de análises microbiológicas e físico-químicas. Na fase final da fabricação o xarope composto segue até a linha de envasamento e passa por uma sequência de máquinas: cuba de mistura, onde o xarope é misturado com a água; gaseificador, onde recebe o CO2; enchedora, arrolhador, rotuladora e empacotadora, até chegar ao estoque para distribuição. Esteiras movimentam as embalagens vazias e cheias entre os diversos pontos da operação.

 

Durante o processo de fabricação os refrigerantes passam por vários processos de controle. Os testes da água têm o objetivo de realizar o controle microbiológico e a retirada do cloro antes do uso. O xarope simples e o composto passam por análises de acidez, cor, turbidez, concentração e detecção da presença de microrganismos.

 

Na fase final, depois de todos estes controles físico-químicos, ainda é feito o controle de linha de produção, que inclui a checagem de itens como carbonatação, cor, brix (concentração) no mínimo a cada 20 minutos para garantir padrões de qualidade preestabelecidos. A acidez é testada nos tanques de xarope composto.

 

Além disso, é feito um acompanhamento visual para detecção de resíduos nas garrafas. Também é feita a retenção de algumas garrafas a cada dia ou a cada lote produzido para acompanhamento dos parâmetros físicos, químicos e microbiológicos.

 

Os profissionais da Química estão presentes em todas as etapas de produção de refrigerantes, atuando no controle de qualidade desde a entrada das matérias-primas até o descarte dos efluentes. O trabalho do químico é muito extenso e envolve todo o processo, pois é importante manter padrões de qualidade no momento e após a produção.

Compartilhe:
Copyright CRQ4 - Conselho Regional de Química 4ª Região